quinta-feira, junho 13, 2024

InícioNotíciasJustiça Federal ordena retirada de rebanho de gado criado em terras indígenas...

Justiça Federal ordena retirada de rebanho de gado criado em terras indígenas na Ilha do Bananal e Parque Nacional do Araguaia

- Anúncio -

Imagem ilustrativa

Em uma decisão inédita, nesta sexta-feira, 16, à Justiça Federal do Tocantins determinou que o Ibama a Funai e o ICMBio retirem do Parque Nacional do Araguaia e da Ilha do Bananal um rebanho criado ilegalmente dentro de terras indígenas ele determinou o prazo de 180 dias para Funai.

A decisão da Justiça Federal é assinada pelo juiz Adelmar Aires Pimenta. Ele determinou o prazo de 180 dias para a Funai, Ibama e ICMBio retirarem de dentro do Parque Nacional do Araguaia e de uma terra indígena na Ilha do Bananal um rebanho criado ilegalmente no território.

Segundo a decisão um relatório dos fiscais aponta que o fazendeiro Osvaldo da Costa e Silva realizou construções com a supressão de vegetação nativa no Parque Nacional do Araguaia e explora a área com criação de bovinos.

Ainda de acordo com documento o pecuarista não tem permissão dos indígenas para exploração da área e tão pouco licença dos órgãos ambientais competentes e não há dúvidas dos danos ambientais.

Na decisão inédita, por ofício o juiz confiscou o gado e mandou a Funai doar os animais para outras comunidades indígenas de fora da Ilha do Bananal. Na decisão ele também determinou a derrubada das construções ilegais.

A Ilha do Bananal tem cerca de 20 mil quilômetros quadrados em parte dela o Parque Nacional do Araguaia e a terra indígena se sobrepõe. Para o Ibama a exploração dessa área por não indígenas é crime.

Leandro Milhomem Costa, Superintendente do Ibama – Tocantins afirma:

“O Parque nacional é uma unidade de conservação do tipo de proteção integral, ela tem o uso bem restrito, não é permitido por exemplo a atividade de bovinocultura. Até indígenas por uma previsão constitucional é de usofruto exclusivo dos indígenas. Eles podem fazer mediante alguns procedimentos o uso daqueles recursos que tem ali.” – ressaltou ele.

A estimativa é que atualmente são criadas ilegalmente na Ilha do Bananal cerca de 300 mil cabeças de gado não pertencentes a indígenas.

“A lei tem que ser aplicada. Essa decisão judicial vem em um momento muito oportuno um divisor para o controle do uso das terras indígena e do Parque Nacional. A gente espera que outras decisões que tenham como partes outros invasores também venham ser tomadas e que as entidades ambientais possam atuar na Ilha.” – finaliza Leandro.

A defesa de Osvaldo da Costa e Silva não foi localizado pela repostagem.

Via: G1 TO

Siga-nos nas nossas Redes Sociais: Facebook: @gncomunicacaoenoticias ; Instagram: @gncomunicacao/ TikTok @gncomunicacaoenoticias  ;  Threads – https://www.threads.net/@gn_comunicacao Se inscreva no canal GN TV Online no YouTube –  Clique aqui e ative o sininho em TODAS . Entre em nosso grupo do WhatsApp  Clique aqui

GN Comunicação e Notícias
GN Comunicação e Notíciashttps://gncomunicacaoenoticias.com.br
Conte com nossa equipe de redação para divulgar notícias da região.
OUTRAS NOTÍCIAS
- Anúncio -

- Anúncio -

- Anúncio -

- Anúncio -

- Anúncio -

Mais notícias

Recent Comments