sexta-feira, junho 14, 2024

InícioNotíciasCriada durante o governo militar, "saidinha" é tema polêmico. Câmara aprova o...

Criada durante o governo militar, “saidinha” é tema polêmico. Câmara aprova o fim. Projeto vai a sanção

- Anúncio -

Câmara dos Deputados aprovou o projeto de lei que acaba com as saídas temporárias de presos do regime semiaberto em feriados e datas comemorativas.

O benefício existia desde julho de 1984, quando entrou em vigor por meio da Lei de Execução Penal, no governo do general João Baptista Figueiredo, durante a ditadura militar. A medida, por enquanto, vale para detentos que estejam no regime semiaberto, tenham bom comportamento e já tenham cumprido ao menos um sexto da pena.

Atualmente, beneficia presos em regime semiaberto, que passam o dia fora da cadeia e voltam à noite para dormir, desde que apresentem bom comportamento e tenham cumprido ao menos um sexto de sua pena.

O projeto aprovado estabelece que as saídas temporárias serão permitidas apenas para presos matriculados em cursos profissionalizantes ou nos ensinos médio e superior, e somente pelo tempo necessário para essas atividades. Além disso, amplia quem não terá acesso: presos por crimes hediondos ou com grave ameaça a outra pessoa não poderão sair para estudar. O texto também proíbe as saidinhas como visita à família e participação em atividades de retorno ao convívio social, que hoje ocorrem em datas comemorativas e feriados.

O projeto ainda muda os critérios para a progressão de regime. Um preso só terá direito a trocar a prisão em regime fechado pelo semiaberto se comprovar, em exame criminológico, disciplina, baixa periculosidade e senso de responsabilidade.

Segundo levantamento, a saída temporária do último Natal beneficiou mais de 52 mil presos, dos quais 2,6 mil não retornaram à cadeia.

A decisão final caberá ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva, e o cenário é incerto, considerando que se trata de uma pauta sensível e controversa.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) vai se reunir com conselheiros de dentro e de fora do governo antes de decidir sobre a sanção do projeto de lei que limita a “saidinha” de presos.

Em um primeiro contato com o texto, integrantes da equipe jurídica do governo não encontraram argumentos técnicos para recomendar a derrubada.

Ou seja, o veto teria que ser motivado por questões de mérito.

O cálculo é que, no fim das contas, um eventual veto seria inócuo, visto que o Congresso Nacional tem votos e disposição suficientes para derrubar a medida.

Siga-nos nas nossas Redes Sociais: Facebook: @gncomunicacaoenoticias ; Instagram: @gncomunicacao/ TikTok @gncomunicacaoenoticias  ;  Threads – https://www.threads.net/@gn_comunicacao Se inscreva no canal GN TV Online no YouTube –  Clique aqui e ative o sininho em TODAS . Entre em nosso grupo do WhatsApp  Clique aqui

GN Comunicação e Notícias
GN Comunicação e Notíciashttps://gncomunicacaoenoticias.com.br
Conte com nossa equipe de redação para divulgar notícias da região.
OUTRAS NOTÍCIAS
- Anúncio -

- Anúncio -

- Anúncio -

- Anúncio -

- Anúncio -

Mais notícias

Recent Comments