Vacina não é vinho ou cerveja: veja 5 motivos para não escolher agora qual imunizante tomar contra a Covid-19

Tem dúvidas sobre qual das vacinas aplicadas no Brasil é a ‘melhor’? de acordo com especialistas, que foram unânimes: não é hora de escolher vacina.

Anúncio

Chegou a hora: é o seu dia de ir ao posto tomar a vacina contra a Covid-19, mas você tem dúvidas sobre qual delas é a melhor. Afinal, naquele grupo no celular, as pessoas te disseram para tomar essa, aquela, ou talvez aquela outra. E agora, José?

Especialistas são unânimes: você não deve escolher agora qual vacina tomar. Há pouquíssimas exceções a essa regra (pessoas que não podem tomar uma vacina específica por um motivo específico, como um problema de saúde).

Em resumo, é muito melhor tomar qualquer vacina disponível do que ficar vulnerável à Covid-19. E, ao se vacinar, você ajuda a aumentar a cobertura vacinal, que é o mais importante neste momento.

Abaixo, veja 5 razões que mostram por que você não deve escolher vacina:

Por que não devo escolher minha vacina?

  1. É urgente criar imunidade individual contra a Covid
  2. É preciso acelerar e aumentar a cobertura da população
  3. Não há vacinas suficientes para o ‘sommelier’
  4. É prioridade evitar a circulação do vírus e novas variantes
  5. Salvar vidas é também uma responsabilidade coletiva

Além dos cinco pontos acima, no fim da reportagem veja ainda duas perguntas “bônus” sobre viagens e reações após a aplicação do imunizante.

1) É urgente ter imunidade individual contra a Covid

Todas as 3 vacinas aplicadas no Brasil contra a Covid-19 são capazes de proteger de casos graves e de morte pela doença. Isso já foi demonstrado tanto em ensaios clínicos (quando os cientistas medem a eficácia de uma vacina) quanto na “vida real” (quando a efetividade da vacina é constatada).

Sim, é verdade que as vacinas têm eficácias diferentes (em estudos que foram conduzidos de forma distintas e nem sempre são comparáveis). Mas a prioridade, neste momento, não é dar a vacina de maior eficácia a todos ou escolher a própria vacina, defende a epidemiologista Carla Domingues, que coordenou o Programa Nacional de Imunizações (PNI) de 2011 a 2019.

  • “As pessoas têm que entender que é exatamente isso: as vacinas, todas elas, têm eficácias diferentes no nível individual. Quando a gente olha o nível coletivo, todas elas têm uma elevada eficácia para diminuição de gravidade, internação e óbito. Que é o nosso objetivo agora”, lembra Domingues.

Veja, abaixo, exemplos que ilustram como a vacinação é um pacto coletivo:

CoronaVac

Nos ensaios clínicos, a CoronaVac teve uma eficácia de 50,7% contra casos sintomáticos de Covid-19. Ela também evitou 83,7% dos casos que precisaram de atendimento médico, mesmo dos mais simples, e preveniu que houvesse internações ou mortes por casos moderados ou graves de Covid-19.

Na “vida real”, a vacinação no Chile mostrou que a Coronavac teve 80% de efetividade contra mortes por Covid e de 89% contra casos graves. A vacina também evitou casos e mortes no Uruguai.

No Brasil, o estudo em Serrana (SP) mostrou uma queda de 80% nos casos sintomáticos da doença quando cerca de 96% da população recebeu a CoronaVac. As hospitalizações caíram cerca de 86%.

AstraZeneca/Oxford

Nos ensaios clínicos, a vacina de Oxford/AstraZeneca teve eficácia de 76% contra casos sintomáticos e de 100% contra casos graves. Mais tarde, os cientistas descobriram que, se o intervalo entre as doses fosse ampliado para 3 meses, a vacina tinha uma eficácia ainda maior.

Ela também é capaz de fornecer uma boa proteção apenas com uma dose, mas é necessário tomar as duas.

Via: G1